quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Entrevista de Dante Lucchesi sobre a proposta de reforma ortográfica

Falamos no Dante ontem e acabo de receber mensagem dele, via GT de Sociolinguística, divulgando essa entrevista:

"Disponibilizo aqui a entrevista que concedi ao Blog da professora Thaís Nicoleti, da Folha de São Paulo. O mote da entrevista é uma proposta esdrúxula de reforma ortográfica que está  circulando na Comissão de Educação do Senado, mas aproveito para tratar de aspectos bem mais relevantes e interessantes da língua portuguesa e da linguagem humana. Considero a ocupação desse espaço muito importante dentro do nosso compromisso com o combate ao preconceito linguístico e com a promoção de uma visão mais realista e pluralista da língua na sociedade."

Entrevista de Dante Lucchesi - 21/10/14

Artigos sobre colocação pronominal e dialetação do português

Na aula de ontem, a propósito do funcionamento do sistema vocálico pretônico, fiz referência aos trabalhos das professoras Maria Eugênia Lamoglia Duarte e Silvia Rodrigues Vieira. Cá estão dois artigos:

1. Pagoto & Duarte - Gênero e norma: avós e netos, classes e clíticos no final do século XIX

Olhem o que me disse a Eugênia ao me enviar o texto: Este artigo, de 2005, "foi feito com base nas cartas dos avós Ottoni e Bárbara aos netos em fins do século XIX. O interessante é que a ordem da vovó Bárbara – dona de casa, classe média alta - é brasileira – e a do vovô, senador, culto, formado em Coimbra, é lusitaníssima... Dá bem para ver como o letrado muda de norma quando escreve. Ela chega a ter dados de clítico grafado junto do verbo - “melembro”."

2. Silvia Vieira - O parâmetro da cliticização e os pronomes átonos no português do Brasil e no português europeu

O título diz tudo, né? Justamente o que comentamos na aula.

Falamos também sobre dialetação no Brasil e em Portugal. Seguem alguns links:

1. Mapa e amostras de fala dos dialetos portugueses

2. Pagoto - Variedades do português no mundo e no Brasil

Ao ler este texto, atentem para o fato de que, hoje, já contamos com o Atlas Linguístico do Brasil, que representa um enorme avanço para a descrição alargada dos dialetos do Brasil.


Valeu, Vidal!